Privação de Sono e a Sociedade 24/7

Privação de Sono e a Sociedade 24 / 7

Por Paula Araújo

Você consegue recordar quantas vezes na semana acorda sem a ajuda do despertador, sentindo-se bem e descansado? E quantas vezes aciona a função “soneca” do despertador para conseguir dormir alguns minutinhos a mais? Se é difícil responder a primeira questão e a segunda situação é algo recorrente em sua vida, seu organismo está sinalizando que você está em débito com o seu sono. A dificuldade em sair da cama pela manhã, sonolência diurna e necessidade de ingerir estimulantes, como cafeína, para manter-se acordado são sinais que podem refletir sono em quantidade insuficiente, situações de privação ou restrição de sono.

A redução do tempo de sono é característica da sociedade atual. A cultura da sociedade 24/7, ou seja, sociedade que funciona 24 horas por dia durante 7 dias na semana repercute em mudanças no estilo de vida que muitas vezes negligenciam o tempo de sono. Diversos estudos direcionam para a tendência dos indivíduos dormirem menos, sem no entanto haver mudança na necessidade fisiológica do tempo de sono.

A necessidade de sono varia em cada indivíduo. Em média, um adulto precisa dormir 7 a 9 horas por noite, com variações entre os indivíduos que podem ir de 6 a 10 horas de sono.  No entanto, reconhecer e respeitar a necessidade de sono está cada vez mais difícil. O aumento da jornada de trabalho/estudo, o crescimento do desenvolvimento tecnológico e o ritmo da sociedade 24/7 são fatores que fazem a população ficar privada de sono. Quem paga por esse débito de sono é a nossa saúde e qualidade de vida.

Algumas consequências de dormir pouco, ou até mesmo de não dormir a noite inteira são facilmente reconhecidas: cansaço, fadiga, sonolência, dificuldade de concentração e alterações no humor. Consequências que podem impactar não apenas a vida do indivíduo, mas toda a sociedade. A sonolência é uma das principais causas de acidentes de trânsito no Brasil, segundo o Conselho Nacional de Trânsito. A quantidade de horas dormidas e o tempo acordado influenciam diretamente na habilidade em conduzir um veículo. Ainda, fadiga e falta de atenção são causas comumente relatadas em acidentes de trabalho.

Contudo, o papel da sonolência (dificuldade em manter estado de alerta) e dos distúrbios de sono ainda é negligenciado pela maioria. Além das consequências agudas da privação de sono, a redução crônica do tempo de sono repercute em diversas consequências negativas para a saúde, aumentando risco para doenças cardiometabólicas, como obesidade, hipertensão e diabetes.

Reconhecer a necessidade de sono e respeitar o seu ritmo é imprescindível para o bom funcionamento do organismo. O tempo de sono ideal é aquele em que acordamos sem ajuda do despertador (despertar fisiológico), sentindo-se bem e conseguindo realizar as tarefas do dia-a-dia com disposição física e mental.

Encontre o seu tempo de sono ideal e procure manter uma rotina de sono respeitando a necessidade do seu corpo. Manter hábitos saudáveis para o sono, como evitar exposição a aparelhos eletrônicos próximo ao horário de dormir, e evitar ingerir bebidas cafeinadas ou bebidas alcoólicas, ajudam a ter uma noite de sono com qualidade. Dormir com qualidade e quantidade ideais é essencial para a saúde e bem-estar.

Privação de Sono

  • Memória e atenção;
  • Problemas cardíacos;
  • Sexualidade;
  • Peso corporal;
  • Sistema imunológico;
  • Aparência;
  • Humor;
  • Acidentes;

Confira a programação completa da Semana do Sono 2021